segunda-feira, 21 de junho de 2010

Puxando ferro e nadando.

Em abril atingi a meta histórica de 112,7 kg nunca antes na história deste pais eu havia pesado tanto.

Também em abril, após ir ao médico pra exames de rotina, descobri que tenho "extrassitole supra-ventricular", o cardiologista disse que era bom fazer exercícios físicos e perder peso.

Dia 10, com 111,8kg comecei a malhar.

Dia 11 tive minha primeira aula de natação após alguns anos sem entrar na piscina. Sai exausto, forcei muito, perdi totalmente a energia pro resto do dia, isso causou um estrago feio no namoro.

Hoje dia 21, 110,1kg fiz 28 chegadas na piscina (ela tem 38 metros) em meia hora. Depois uma hora puxando ferro e mais meia hora de esteira. Me senti muito, mas muito bem mesmo.

Vamos ver o que vai acontecendo...

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Inação

Cada vez mais preciso de ação.
Cada vez mais preciso do silêncio.
Cada vez mais preciso agir.
Cada vez mais corro da multidão.
Cada vez mais preciso da unidade, mas a divisão manifesta seu nome.
O circulo cada vez mais se fecha.

Estou exposto. Eu me coloquei exposto.

Faço as contas: somo alguns pensamentos, subtraio algumas filosofias, divido alguns conceitos e os resultados são sempre alguns padrões.

Engraçado como essas contas sempre dão resultados exatos.

O circulo está se fechando porque ele existe e é natural tudo que existe ter um movimento. Mas o circulo existe porque existe um centro.

Se eu eliminar o centro, o circulo deixa de existir e assim, automaticamente, ele deixa de fechar.

Bimba! Equação resolvida.

Nem tanto, ainda não. Um detalhe: para eliminar o centro é preciso saber como ele surge.

Ele está lá porque eu estou a observá-lo. Se eu não estiver mais lá, será que ele deixa de existir?

Bom, pelos para mim vai deixar e, no momento, nessa conta, não existe outra ser se não eu. Será?

Pois se o centro não existir é porque não existe o observador.
Se não existe o observador não existe EU.

Resultado: equação quase resolvida.

fonte: http://andreauke.blogspot.com/